As ruas de Sobral estão fervendo. Bandeiras, santinhos e todos os tipos de propagandas tentam convencer o eleitor em qual candidato votar. Mas, afinal, como os eleitores escolhem os candidatos? O Sobral News foi às ruas para conhecer o perfil político dos eleitores.

Patrícia Kinoshita
jornal@sobralnews.com.br

O voto é uma manifestação de vontade ou preferência que os participantes de uma eleição fazem. Ele é um dos instrumentos democráticos mais importantes e poderosos, que foi conquistado depois de muita luta do povo brasileiro. Mas será que o cidadão está fazendo jus à importância do ato de votar e escolhendo seus candidatos de maneira consciente?

O Sobral News foi às ruas para conhecer o perfil do eleitor sobralense e saber qual é o critério usado na hora de escolher o candidato. O voto é dado ao político que apresenta as melhores propostas? Ou para aquele que é mais popular? Ou para o que faz a melhor propaganda? Ou para quem é conhecido, amigo ou parente?

Nas ruas as opiniões são dividas e os eleitores estão atentos às movimentações políticas. Das pessoas ouvidas pelo Sobral News, 69% disseram que escolhem os candidatos que apresentam as melhores propostas para o plano de governo. “Eu sou pobre e escolho aquele que apresenta as melhores opções para melhorar a nossa condição de vida”, comentou um popular. Outros 17% escolhem o candidato que é conhecido, amigo ou parente. “É melhor votar em quem a gente conhece”, disse um eleitor. 14% revelaram que costumam votar naquele candidato que é mais popular. “Costumo votar naquele que a população conhece mais”, salientou um senhor. Os eleitores mostraram que não se interessam pelas propagandas feitas pelos candidatos.

Venda de votos

De acordo com o artigo nº 299 da Lei nº 4.737/65 (Código Eleitoral) é crime “dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita”. A pena é de até quatro anos de reclusão, além do pagamento de multa.

No entanto, os dados revelaram que metade dos eleitores estão dispostos a vender o voto, e se a oferta for boa, eles fazem qualquer negócio. “Se me pagarem 300 ou 400 reais eu voto mesmo”, revelou um popular. Por outro lado, a outra metade dos eleitores pesquisados mostrou que valorizam o poder do voto e não vendem o seu direito de escolher o candidato. “O meu voto é a minha arma e eu não vendo de jeito nenhum”, contestou um eleitor consciente.

A corrida eleitoral segue em Sobral e, no dia 7 de outubro, o eleitor vai às urnas decidir o futuro da cidade. O Sobral News continuará nas ruas ouvindo os eleitores e candidatos.

 

COMPARTILHAR