Ele nasceu na Califórnia, morou no Arizona (ambos nos EUA) e hoje reside em Sobral. Essa trajetória de trânsitos e ambientes é contada na exposição de fotos “Cenas da Natureza”, do americano Ryan Hoover, aberta há três semanas na Pró-Diretoria de Inovação Pedagógica das Faculdades Inta (Prodipe).

Radicado no Brasil há quatro anos, Ryan vê semlhanças entre paisagens do Nordeste brasileiro e da Califórnia (EUA)
Radicado no Brasil há quatro anos, Ryan vê semelhanças entre paisagens do Nordeste brasileiro e da Califórnia (EUA)

Por trás de paisagens em diversos climas e biomas do lado norte do continente,

histórias de viagens e passeios: “Eu quase sempre tenho minha câmera comigo, especialmente quando estou viajando, porque nunca se sabe o que você pode encontrar ao longo do caminho. A maioria dessas imagens foi feita em viagens, dirigindo da casa de minha mãe para a faculdade no norte da Califórnia, ou dirigindo da faculdade para o sul da Califórnia para visitar minha irmã”.

Ele lembra também os momentos mais marcantes de sua “mini tour”: “As imagens do Alasca em 2004 foram muito divertidas. Eu passei também três semanas em Anchorage, uma cidade de Alasca, criando um vídeo com um monte de entrevistas para um cliente. Entre as entrevistas eu tinha muito tempo livre para explorar. Foi em janeiro e havia neve em todos os lugares, eu realmente gosto da neve, é tão pacífica e bonita. Um dos dias a temperatura estava -31.6º, daí que eu não tirei muitas fotos nesse dia.”, conclui Ryan.

Antes de sair dos EUA, Ryan já era formado em Mídias Digitais, trabalhava em dois empregos e fotografava quando podia. Sua esposa, a brasileira Sofiane, também trabalhava e tentava terminar seu curso de enfermagem. O tempo para a família era escasso. O Pastor Gerson, capelão nas Faculdades Inta e avô de Sofiane, mostrou o portfólio fotográfico para o Dr. Oscar Rodrigues Júnior e Pedro Nobre, então coordenador de Comunicação do Inta, em 2012. Gostaram tanto do trabalho fotográfico de Ryan e das possibilidades que poderia trazer a instituição que ofertou a sua esposa uma transferência de créditos para completar sua educação na faculdade. Ryan acabou vindo com sua esposa ao Brasil em março do mesmo ano.

De adaptações, prós e contras. Climaticamente, Ryan não sofreu com o calor de Sobral: “A vegetação nos EUA é muito diversificada como é no Brasil. Aqui em Sobral, é muito parecido com partes do sul da Califórnia, onde nasci, e Arizona, onde eu morava até os dez anos de idade. Vivenciei um calor semelhante ao de Sobral.”, garante.

Ryan mostra fotografia tirada em Bonneville Salt Flats, no estado americano de Utah, onde há um grande deserto de sal.
Ryan mostra fotografia tirada em Bonneville Salt Flats, no estado americano de Utah, onde há um grande deserto de sal.

A maior dificuldade enfrentada pelo fotógrafo ao morar no Brasil foi a adaptação linguística. Porém, com a ajuda de sua esposa que é brasileira, o aprendizado foi exponencial: “Na minha casa, eu e minha esposa nos comunicamos em inglês. Então, quando eu cheguei, só sabia algumas palavras. Outra coisa que levou algum tempo para  acostumar era a questão da burocracia. Abrir uma conta bancária, receber a carteira de trabalho etc. Muitas destas coisas são muito mais fáceis nos Estados Unidos.”

 

Especial Sobral News

Evarnio Cunha

COMPARTILHAR