O deputado Moses Rodrigues (PMDB), desde o início de seu mandato como parlamentar, tem demonstrando sua preocupação com a saúde dos sobralenses e, assim, procurado ajudar a Santa Casa de Misericórdia a se manter firme em seu trabalho de acolhimento aos que dela necessitam, e que são muitos.

Cerca de 1,5 milhão de pessoas residentes nos 55 municípios da região Norte e outras que vêm de outras regiões do Ceará e de outros estados, dependem do hospital, seja para para uma simples consulta ou até mesmo cirurgias delicadas, uma vez que o hospital se faz referência em algumas áreas.

O problema que bate de frente com o centenário hospital, uma das principais obras de Dom José, é a falta de recursos, e o interlocutor entre sua direção e os órgãos de Brasília é o deputado Moses Rodrigues, ele que através de emendas já assegurou recursos para a compra um tomógrafo, e também de uma UTI Móvel, equipamentos imprescindíveis nos melhores hospitais do país.

Ainda com as finanças abaladas, porém com, nova diretoria a Santa Casa fez chegar a Brasília, através do deputado Moses Rodrigues, uma comissão chefiada pelo bispo diocesano Dom Vasconcelos. O destino da comitiva foi o gabinete do presidente do Senado, senador Eunício Oliveira. A principal pauta é a busca de recursos, como explica o próprio deputado:

Ontem estive reunido com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE); com o bispo de Sobral, Dom Vasconcelos; e diretores da Santa Casa de Misericórdia de Sobral para buscar uma solução para o déficit financeiro que a unidade enfrenta e para que o hospital conte com mais reforço financeiro do ministério da Saúde.

Atualmente, o hospital fatura cerca de R$ 59 milhões, mas o Sistema Único de Saúde (SUS) só paga R$ 47 milhões, resultando num rombo, por ano, de algo em torno de R$ 12 milhões.

A unidade atende toda região norte do Ceará, ao todo, 55 municípios, com cerca de 1,5 milhão de habitantes, além de pacientes que chegam de cidades do Paiuí e Maranhão.

Na ocasião, Dom Vasconcelos relatou que atualmente o recurso repassado a Santa Casa não supre todos os atendimentos e que pela iniciativa beneficente e sem fins lucrativos da unidade, os serviços não são negados.

Silveira Rocha com informações do facebook do deputado Moses Rodrigues

COMPARTILHAR