Em Sobral, o crack chegou forte. Hoje temos crianças de 5 a 6 anos cheirando cola no centro de Sobral. Estas estão passando automaticamente para o crack, e nada esta sendo feito para coibir essa prática. Infelizmente nós não temos a estrutura.

Fachada do Conselho Tutelar de Sobral - Foto: Carlos ritchelly

Não obstante o trabalho que o Conselho Tutelar vem realizando há mais de uma década, a atenção dada às crianças e adolescentes de Sobral ainda deixa a desejar, em termos de proteção e resgate social, uma vez que não se dispõe de uma estrutura capaz de acolhê-los. Eles são vitimas da violência sexual e da dependência química em que o grande vilão é o crack.

Muito embora a Fundação de Ação Social mantenha o Conselho em funcionamento, dando valioso apoio logístico, a Entidade não consegue avançar em termos de resolutividade. É crescente o número de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual, sendo a maioria dos casos com o envolvimento de pessoas da própria família ou liga- das a ela. Em alguns casos os próprios pais.

O conselheiro Raimundo Edson de Aguiar Moura, um dos membros do Conselho Tutelar, fala da situação da instituição: “O Conselho Tutelar de Sobral foi criado como órgão encarregado de zelar pelo cumprimento dos direitos de crianças e adolescentes. Em vários municípios da região Norte, o órgão tem atuado junto a pais ou responsáveis de menores de idade, vítimas de violência, e que são encaminhados a programas de promoção familiar, tratamento psicológico e amparo jurídico e também assistência social.

Segundo o conselheiro, o Conselho Tutelar funciona como um colegiado de cinco membros. O CT de  Sobral é considerado um dos melhores do Ceará e até do  brasil, uma vez que dispõe de uma sala ampla com material de informática, fax, bancos de dados, dentre outros benefícios. A grande dificuldade enfrentada, hoje, diz respeito a parte exterior, a questão do atendimento. Sobral não tem um abrigo, que possa acolher meninas vitimas de exploração sexual. 80% dos casos que chegam ao Conselho Tutelar, é de natureza intra familiar:  é o pai, padrasto ou tios. Infelizmente os pais chegam a superar o índice de padrastos, disse o conselheiro.

“Temos dificuldades de proteger as crianças que estão entrando no mundo das drogas. Em Sobral, o crack chegou forte. Hoje temos crianças de 5 a 6 anos cheirando cola no centro de Sobral. Estas estão passando automaticamente para o crack, e nada esta sendo feito para coibir essa prática. Infelizmente nós não temos a estrutura necessária. Estamos recebendo reclamações de pais em que seus filhos com idade de 6, 7 e 8 anos estão envolvidos com drogas. Temos enfrentado dificuldade, porque essas crianças não têm amparo legal para que possamos tirá-las dessa situação e afastá-la das drogas”, disse ele.

No que tange ao aspecto da exploração sexual, a população era para ter uma maior participação quanto a denunciar os casos. Sabemos que existem alguns pontos de exploração que chamam muito a atenção, dentro desses pontos de exploração sexual. São garotas adolescentes portando o vírus HIV. Não é só apenas uma. Essas garotas, a grande maioria foi a mãe que aliciou para a prática de exploração sexual. Hoje ela mantém o vicio dela e da mãe, porque são usuárias de crack.  A denuncias foi para o ministério público. A Secretaria de Saúde tem conhecimento, mas a promotora dra. Rosina nada pode fazer, porque em Fortaleza não estão sendo aceito adolescentes de Sobral, porque cada municípios tem que arcar com as suas responsabilidades. Em 2009 os casos triplicaram envolvendo crianças e adolescente.

Carlos Alberto Ritchelly

jornal@sobralnews.com.br

COMPARTILHAR