A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara de Vereadores de Sobral, criada para apurar as denúncias de possíveis favorecimentos na troca de vaga de suplente naquela casa Legislativa, encerra seus trabalhos hoje, com apresentação de relatório sobre o que foi apurado durante os dez dias em que esteve montada.

Nesse período pelo menos três pessoas apontadas como envolvidas nas denuncias foram ouvidas pela comissão que era presidida pelo vereador do PSB, Itamar Ribeiro e contou com a participação dos vereadores do PP, José Crisóstomo – Zezão e Adauto Arruda, relator e membro respectivamente.
O radialista Armando Costa, que também é blogueiro na cidade, foi o responsável em tornar público um documento assinado pelo suplente Claudio Gil com firma reconhecida em cartório, onde o parlamentar detalhava que não teria condições de assumir vaga na Câmara de Sobral, durante o período de novembro do ano passado e fevereiro deste ano.
Em depoimento, um dia após a criação da comissão, Armando Costa declarou que estava ali para colaborar com as investigações, mas preferiu ficar calado, não revelando para comissão como o documento que o blog tornou público chegou a suas mãos. “Estou amparado pela Constituição Federal. Colaborarei com as investigações, mas só falarei em juízo”, disse Armado Costa.
O suplente e farmacêutico Rodolfo Basílio também foi notificado a comparecer a uma das audiências. Rodolfo Basílio, o segundo a depor, havia se manifestado por escrito que iria a comissão, optou em prestar depoimento no dia e hora marcado. Havia a expectativa dos membros da comissão que Rodolfo trouxesse informações importantes para desenrolá-lo neste episódio.
No entanto Rodolfo negou qualquer envolvimento com Cláudio Gil na licença tirada pelo Vereador Adaldécio Linhares, bem como desta suposta licença do Vereador Luciano Feijão.
Claudio Gil foi o último a comparecer. Em depoimento ele reconheceu que a assinatura no documento era sua, mas não sabe quem reconheceu no cartório, nem como foi parar em um dos blogs da cidade. Segundo vereador Zezão, relator da Comissão, Claudio disse por que assumiu a vaga na Casa do Povo “Claudio Gil disse na sala das comissões que foi orientado pela sua família a aceitar a vaga, uma vez que seria por um período mais longo. Pois se tratava da morte de José Maria, e não da licença médica do vereador Luciano Feijão, como havia se cogitado”, revelou Zezão.

 

Wilson Gomes
wilson@sobralnews.com.br

COMPARTILHAR