nomercado@sobralnews.com.br

Sobral off-line

Quem depende de uma boa conexão de internet de banda larga em Sobral sabe que a falta de opções é um problema sério. Algumas empresas que oferecem internet via rádio utilizam compartilhamento de IP (Proxy’s). Assim, no caso de servidores que limitem downloads a apenas um IP por vez, apenas um usuário de internet da empresa poderá fazê-lo, ou seja, é quase uma dança das cadeiras entre os clientes. Além disso, as velocidades dificilmente são as prometidas nos pacotes contratados, aproximando-se, na maioria das vezes, das taxas mínimas permitidas pela Anatel.

Como se não bastasse, as grandes operadoras nacionais ainda não enxergaram no município um mercado interessante. A Oi/Velox, por exemplo, desde janeiro não dispõe de novas portas para a instalação de assinantes. Segundo uma colaboradora local, apenas no próximo mês deverá ser feita uma expansão, e somente na estação do Centro, com vagas que rapidamente deverão ser esgotadas. De acordo com ela, desde o início do ano a procura tem sido grande por novas assinaturas, mas os clientes são orientados a procurarem novamente a Oi no final de abril. Fica a pergunta: se há tanta demanda, porque não investir numa expansão mais ampla?

Fidelizando colaboradores

O sonho da casa própria nunca esteve tão perto. Além de programas de financiamento como o Minha Casa, Minha Vida, promovido pelo Governo Federal, as empresas passaram a enxergar na iniciativa uma boa oportunidade de promover um marketing positivo. É o caso da rede varejista Magazine Luíza, que em parceria com a Caixa Econômica Federal vai disponibilizar linhas de financiamento para seus funcionários.

As taxas, segundo a empresa, serão de 8,7% a 10% ao ano, com amortização em até 360 meses e comprometendo, no máximo, 25% da renda. Fica ai a dica para as grandes empresas que querem “sair bem na foto”, realizando sonhos de funcionários sem perder nada com isso. Aliás, certamente ganhará em comprometimento do quadro de colaboradores.

Confiança

IPVA, material escolar, viagem de carnaval, reajuste de aluguel… Depois de tantas despesas, como pensar em comprar algo? Mas não é isso que pensam os consumidores. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) anunciou nesta segunda, 26, o resultado de março do Índice de Confiança do Consumidor (ICC). O indicador avançou 2,8 por cento em março na comparação com fevereiro, passando de 119,4 para 122,7 pontos. Este é o maior nível desde julho de 2011, quando o índice havia atingido 124,4 pontos. O destaque ficou por conta do indicador de ímpeto de compras de bens duráveis, que foi o quesito que mais contribuiu para a alta do ICC no mês. O indicador subiu 10,0 pontos, atingindo 87,8 pontos, o maior nível desde dezembro de 2011.

Capacitação em ovinocultura

A Embrapa Caprinos e Ovinos (Sobral-CE) está promovendo o curso de capacitação continuada sobre ovinocultura de corte, voltado a técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Nesta semana, de 26 a 30, os técnicos participarão do primeiro módulo, sobre sistemas de produção de ovinos de corte. Até o fim de 2012 serão outros dois módulos para a mesma turma, com palestras e atividades práticas que incluem visitas a propriedades rurais e aulas em campo.

Participantes do curso mostraram boa expectativa em conhecer as tecnologias da Embrapa para a ovinocultura e em disseminá-las junto a produtores rurais de suas regiões. “O que espero é acompanhar o que há de novo na área, aprender e repassar o conhecimento. Na região Norte, a atividade explodiu nos últimos três anos e a busca por profissionais é muito grande”, afirmou o médico veterinário Jaderson Holanda, do Senar do Amazonas.

 

VAREJO

Sobe?

A presidente da Petrobras, Graça Foster, voltou a afirmar que o preço dos combustíveis deverá subir nos próximos meses. Segundo ela, o prazo ainda não foi definido, o que deve estar ocorrendo porque o Governo Federal teme pressões sobre a inflação este ano. O sobralense, que no mínimo paga R$ 1,74 pelo litro de gasolina (cerca de R$ 0,07 a mais do que o preço cobrado na capital, e isso nos postos localizados fora da cidade) já começa a sofrer por antecipação.

Desce?

Com a regulamentação, na última quinta (22), da nova lei da TV por assinatura, o consumidor deverá, a médio e longo prazo colher bons frutos. É que, com a abertura do mercado para empresas de capital estrangeiro, deverá haver maior competição. Essa é a avaliação do presidente da ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura), Alexandre Annenberg. Contudo, a obrigatoriedade de cotas de conteúdo nacional poderá causar o efeito contrário, pois segundo Annenberg, a exigência pode encarecer o preço para o consumidor. “Tudo isso gera um custo e quem paga a conta é o consumidor”.

Fica a Dica

A água é um bem extremamente necessário, contudo, não criamos o costume de economizá-la. Isso porque temos o país com a maior quantidade de água potável do mundo. Precisamos economizar em favor das próximas gerações. Mas qual seria a vantagem imediata de não gastar mais água do que o necessário?

A conta de água que podemos diminuir! Ajudamos as gerações futuras e tiramos um peso do nosso bolso! As dicas são:

1 – Durante o banho, depois de se molhar, feche o chuveiro e só abra quando for necessário.

2 – Escovar os dentes com um copo de água também diminui o consumo.

3 – Para a limpeza da casa utilize a vassoura!

4 – E para lavar o carro, um balde ajudará a gastar menos água.

5 – Durante o período de chuvas evite regar o jardim todos os dias. Dia sim dia não resolve para a maioria das plantas.

6 – Sempre observe se não existe vazamentos nas descargas, torneiras e chuveiros.  Uma torneira pingando gasta aproximadamente 46 litros por dia, o que significa aproximadamente 1.380 litros por mês. Sendo assim, evite vazamentos e feche bem as torneiras.

7 – Não deixe a caixa d’água transbordar e a mantenha fechada.

Disponibilizamos, a seguir, um simulador de consumo que certamente irá ajuda-lo a analisar como estas dicas podem ser importantes para diminuir seu consumo: www.sabesp.com.br/CalandraWeb/animacoes/index.html

Por Jerfson Lins e Pedro Nobre

Colaboração Zilah Ribeiro

Economista

 

COMPARTILHAR